domingo, abril 23, 2006

Lá vem a chuva!
















Olhe a tempestade passando e ouça o que ela tem a dizer.

4 comentários:

Tommy Kondo disse...

Felipe

Vou te dizer... Aqui pelos lados do Cabula, a tempestade começou gemendo baixinho, um murmúrio lamuriento, avisando sob o céu cinza que São Pedro ia lavar e esfregar de verdade... Água arriou forte, uma enxurrada pelos barrrancos e ladeiras; vento balançou galhos, árvores e barracos. Não deu muito tempo, o cinza do céu ficou alvo, limpinho, mas os gritos do santo estouravam em todo lugar... Eita homi aguniado, virge!!!

Beijo!

Felipe disse...

Ahahahahah!
Gostei, Tommy! Teu ouvido é ótimo e tua escrita uma delícia. Tás vendo como é bom ouvir conversa de tempestade? A gente consegue ouvir a fofocada toda do pessoal do céu. É cada barraco... Mas São Pedro tem razão. A gente pensa que anjinho fica só tocando harpa mas, eita meninada presepeira: até hoje ainda tem resto de papel laminado e pedaço de ovo de chocolate espalhado pelas nuvens. Ajeita os pirralhos, São Pedrão!
Beijo pra tu, Tommy!!!

eva disse...

Felipe, queridíssimo,

pois num é que algo bem parecido estava dentro do biscoito chinês de Noá hoje! algo como: se não fossem as nuvens, não haveria chuva!!!
caramba!
foi um tapa que levamos!
havíamos acabado de enterrar o gato da nossa amiga Rosana que morreu envenenado enquanto usávamos a casinha dela emprestada em João Pessoa.

choveu, choveu!!!
saudades eternas!
beijo,
eva

Felipe disse...

Esse negócio de biscoito chinês as vezes sai cada 'coincidência' de arrepiar o pé do cangote.
Fica bem, caminhante, fica sempre bem.
Beijo saudoso
P.S.: Tu estás com um blog além da Agendinha, é? Me diz qual é o endereço!