domingo, novembro 08, 2009

Cordel do amor sem fim

Agrinez Melo, Monalize Mendonça e Naná Sodré voltaram aos palcos, desta vez longe da cabine de luz. Nas mãos hábeis do encenador Samuel Santos, ampliaram os limites da empresa delas (O Poste Soluções Luminosas, especializada na iluminação de espetáculos) e, (boas) atrizes que também são, estão saciando o desejo de representar juntas. Para isso convidaram o ator Thomaz Aquino e escolheram o belo texto da baiana Cláudia Barral, Cordel do Amor sem Fim. Jovem autora que ainda nem completou trinta anos, Barral brinca com o tempo e o espaço na cena ao contar a história das irmãs Carminha, Madalena e Tereza e mostrar a relação de cada uma com o amor e a vida.

Amores distantes, perdidos, negados e encontrados são expostos no texto premiado pela FUNARTE em 2003, que Samuel montou a partir de dezenas de referências vinculadas ao imaginário interiorano e suas conexões com a urbanidade contemporânea. Se a expressão "colcha de retalhos" pode lembrar fragmento e desordem, nesta encenação ela sugere a beleza e a harmonia que também permeiam o caos aparente. Esfuziante, lúdica, ora vivaz, ora melancólica, Cordel é uma peça para se degustar como se lê uma poesia escrita num mundo de quatro dimensões.

A preparação vocal do cantor lírico Sebastião Câmara e a trilha sonora de Josias Albuquerque sublinham a impressão de estarmos sonhando acordados, imersos em algum lugar-não-lugar onde as leis físicas são subvertidas e signos emergem pontuando cenas e ampliando a possibilidade de leituras sobre o que vemos.

Ironicamente,
apesar da prática e empenho d'O Poste, a iluminação do espetáculo se viu amesquinhada pelas restrições do espaço da Compassos (importante, ativa e essencial companhia de danças de Recife). Se por um lado há que se louvar que haja artistas capazes de criar e manter um espaço alternativo e precioso como o da Compassos, onde assisti a peça, por outro há que se lamentar a crônica falta de espaços melhor equipados na cidade, capazes de comportar propostas como a deste Cordel do Amor sem fim e de outras tantas companhias que penam quando querem exercitar vôos mais altos na área da tecnologia da cena.

Não me refiro a grandes e dispendiosas salas. Podiam ser pequenos teatros bem estruturados. Muitos deles! Por que não? Já foi mais do que constatado que a prática teatral tem efeito benéfico na auto-estima da comunidade. Salvador tem dezenas de pequenas salas em funcionamento e bem administradas. Salvador é ali! É Nordeste também. Mas lá a galera, ainda que tão competitiva quanto a nossa, está melhor organizada, mais unida, tem uma Escola de Teatro como fórum de reflexão. Sem falar que, convenhamos, há muitos empresários e políticos baianos que apostam em artistas baianos - e ganham.

Aqui seguimos com nossos velhíssimos problemas e (maus) costumes ainda pedindo novas soluções. É complicado. Cada vez mais parecemos reféns de fomentos e patrocínios, competindo pelas brechas que nos abrem. Deve haver saídas para se ampliar esse funil de sonhos. Não quero acreditar que só nos reste simplesmente fazer como Tereza faz com o amor da vida dela em Cordel do Amor sem fim. Isso fica lindo e arrebatador no contexto da peça, mas na dureza deste mundo tridimensional, não leva a lugar nenhum.


Cordel do amor sem fim está em cartaz todas as sextas até o final de novembro, às 19h, no espaço da Compassos Cia. de Danças (Rua da Moeda, 93, 1º andar, Bairro do Recife). Entrada franca.













12 comentários:

Samuel disse...

Eita! obrigado pela coerencia das palavras e o desafio de estarmos sempre em contato com a sensibiliade alentadora diante das dificuldades de se ( re)fazer teatro no nosso estado.

Luiz Felipe Botelho disse...

É meu prazer fazer isso, Samuca. Ainda mais quando o coração é tocado pelo trabalho de pessoas queridas, que compartilham dessa viagem no mesmo barco-arte em que também viajo e me encanto.

agrinez disse...

Luiz Felipe é um imenso prazer vê você na platéia.Entrando,se deixando levar na viagem que nos propomos a fazer.Trilhar os caminhos do tempo e das pedras,cavar e criar alternativas,transformar lama em fluida e lípida água,ser artísta,sensivel e questionadora...
é assim que me sinto lendo o que escreveu sobre algo que acredito,CORDEL.Cordel de um amor infinito,amor pela vida,pela profissão,amor pelo próximo,por mim...
Bjs e obrigada

Luiz Felipe Botelho disse...

Bela e bendita viagem, Agrinez! Eu é que agradeço. Beijão

Vanessa disse...

Nos veremos no Festival de Recife, no dia 26, após a apresentação de vcs. Adorei as fotos, estão convidadíssimos para assistir a nossa montagem nos dias 27, 28 e 29, passear de ônibus e jantar de Claudinha (espero que ela esteja lá). Um beijo porreta, da colega de Cordel.

agrinez disse...

Nós também estamos ansiosos para assistir a montagem de vc´s e nos emocionarmos com a forma com que vc´s contam o poetico texto de Claúdia.E aproveitando o ensejo queremos ter a honra de assistirmos vc´s ao lado do doce e poetico Luís Felipe Botelho.
Até lá
Bjs Agrinez Melo

Luiz Felipe Botelho disse...

Muito massa o "doce e poético", obrigado, Agrinez. Quero ter esse prazer de estar lá com vocês, sim.
Saúde, sorte, paz e sucesso!
abração pra vocês

Nazaré disse...

Que coisa linda! Meu querido diretor!

isa disse...

que lindo isto!
adorei teu post e as fotos, fiquei curiosa de ler o texto.
fazia tempo que nao vinha por aqui, continua sendo sempre uma grata surpresa!
grande beijo!

Luiz Felipe Botelho disse...

Estou só espelhando o que estava lá, saudosa Naná Muyemba! abração pra ti

Luiz Felipe Botelho disse...

Que visita boa e saudosa, Isa!
Muito bom te ler! Abraço grande
Felipe

malandrinha disse...

eu amei esse espetáculo! apesar de não ter assistido todo... pois, assistir ele numa escola em Tejipió... Gostaria muito de ter visto todo espetáculo! sou fã do trabalho de vocês! Tiia Agrinez.. eu amo a senhora! eu quero ser como a senhora quando eu crescer!