quarta-feira, janeiro 03, 2007

Nomes


Nesses tempos do politicamente correto, se eu quiser celebrar uma mulher devo fazer uma homenagem ou uma mulheragem?

Foto da boia salva-vidas do ferry-boat "Maria Betânia".

17 comentários:

Sean Hagen disse...

*

faça o que fizer, vai levar pau.
porque sempre vai ter uma mulher raivosa e intransigente dizendo que vc errou em algum lugar e é um porco chauvinista imperialista do patriarcado.

então, joga a bóia e iça o peixe como quiser.
:p



*

paty disse...

hehehehe...quanto rancor sean.

Aí, Lipe, homenageia sua musa, tenho certeza de que ela se sentirá a rainha de seu imperio.hehehehe..beijoko

Sean Hagen disse...

*


paty,

em que mundo vc vive?
no meu, tem muita mulher assim, muita.
e de cor de rosa não há nada.


*

Felipe disse...

Isso mesmo, Sean.
Embora haja as que estejam acima desses conflitos, há aquelas que usam o poder que criticam para ocupar o lugar daqueles que repudiam, agindo exatamente como os acusam de agir. O discurso serve apenas como cortina de fumaça. Diálogo? Quem sabe um dia, em outras bases, sem tantas máscaras nem mágoas.
Abração

Felipe disse...

Vou te contar um segredo, Paty: é difícil superar o rancor quando se é agredido injustamente por quem a gente ama, ainda mais quando a gente é pego de surpresa, indefeso.

Sobre a homenagem, assino em baixo da sua sugestão. Não importa como se chama a ação, o barato está em agir. Beijo grande.

Felipe disse...

Tem mesmo, Sean. E não são poucas.
Fiz anos de terapia de grupo e uma das situações mais recorrentes e discutidas era o poder subreptício que as mulheres mantinham, muitas vezes sem nem ter consciência, sobre seus universos, colocando-se como vítimas enquanto manipulavam maridos, companheiros, família, trabalho, grupos, etc.

Vivien disse...

Paty, tb achei meio rancoroso...ih, mulher nervosa é um é no saco , e homem nervos, vixe maria...rs
Lipe, o policamente correto tb enche mesmo o saco, ne?
Um beijão pra vc.

paty disse...

Lipe, concordo contigo.Existe na mulher um poder camuflado muito intenso e sei que quando ela quer consegue ferir quem está ao seu lado.Entendo o comentário do sean e respeito, mais deixo aà ele uma dica:bola pra frente, porque quando você começa a vibrar numa escala superior, você encontra pessoas que estão vibrando na mesma intensidade.

*Desculpa qualquer coisa.Bjos

bia disse...

Manhêêêêê!!!!!!!!!
Que qui tá acontecendo aqui!?!?!?!

rs....rs......rs......rs.......

Felipe disse...

Pois é, Vi.
Nós da contemporaneidade ainda temos muito o que aprender acerca das nossas dificuldades. Acho que o problema da gente não é nem ficar de saco cheio com isto ou com aquilo, mas de não saber o que fazer para realmente resolver o que nos incomoda.
Como a gente pode se abrir uns com os outros se o risco de se ferir ainda mais é tão grande?
Beijo grande

Felipe disse...

Acho que está tudo ok, Paty.
Afinal, se a gente não puder falar o que a gente está sentindo, que mundo triste será este, não é?
Beijo grande e fica bem!

Felipe disse...

Isso é a realidade, Bia.
O mais é um esforço de aparentar normalidade num mar de questões mal-resolvidas que não encontram espaço para serem discutidas com o carinho e a delicadeza que merecem. E olha que estou falando de muita mágoa, tristeza e dor, tanto da parte dos homens quanto das mulheres.
Mas eu acredito que alguma coisa bacana anda acontecendo. Este papo aqui já demonstra isso.
Beijo

Sean Hagen disse...

*


o papo era sério?
:o
vixi, entrei na porta errada.

- é isso aí, felipe, unidos venceremos essa luta milenar entre os sexos. ainda mais que tudo é bem simples: nós somos fortes, elas frágeis. u-hu, lavre-se a lei e revogue-se disposições em contrário -



*

Sean Hagen disse...

*


áh, e rancor é bom quando servido com morango e chantili.
em lençóis de cetim de um motel bem brega.


*

Felipe disse...

Poxa, Sean, as vezes tenho a impressão de que era melhor eu ter ficado calado.

Ainda bem que não gosto de me calar, mesmo correndo o risco de não ser compreendido... ou de ser bem compreendido até demais.

Sim, Sean, eu estava falando sério porque acho que o tema é sério. Não vejo luta nem supremacia de um ou de outro. Vejo só um monte de incompreensão, dor e dificuldade de comunicação. Sonhador, ingênuo? Já me chamaram de tanta coisa. Sim, eu gostaria muito de ver essas querelas chatas desaparecerem e que homens e mulheres pudessem se curtir melhor, sem tantos - sim! - rancores. Mas essa é a minha posição. Cada um é livre para fazer o mesmo e se posicionar como quiser diante do que está aí.

Não quero nem gosto de ficar lutando com ninguém. Mas também não gosto de levar porrada.

E aqui termina o meu momento sério.
Abração

Sean Hagen disse...

*


felipe, na verdade escrei pensando nas tuas amigas que sacaram a palavra 'rancor', algo que nem de longe sinto ou me define.

tava zoando com elas, porque também acredito que se o politicamente correto enche o saco, há o incorreto pra botar as coisas no lugar.

nunca pensei que usando a condicional e dizendo que vai ter 'uma' mulher pra dar pau, logo essa mulher fosse chamar a atenção das outras.

sei lá, cada um se filia ao grupo que quiser, né?
democracia é isso.
eu me filio ao grupo dos que falam e adoram ouvir resposta.


*
achei que

Felipe disse...

Tá mais do que claro, Sean.
No final das contas cada um foi se posicionando como estava dando pra entender a "doidera" rolando. Ih! Entender "doidera" é um paradoxo feladamãe.
Vamo pra outra? De preferência sem "doidera" - será que eu consigo? :)