quinta-feira, outubro 12, 2006

Bolo de sol

Um deus feliz fez um bolo de sol com sete camadas. Na primeira, usou areia úmida; na seguinte, areia bem molhada e misturada com reflexos cor de ouro; na terceira, espuma de baía bela; na quarta, água de sombra-de-onda-que-vai-quebrar; na quinta, mistura viva de marzão metálico; na penúltima, bem fininha, usou terra firme; e, por fim, arrematou tudo com uma grossa camada de sol, com cobertura de nuvens salpicada de sensações de fim de tarde.

10 comentários:

Mariana disse...

Isso é que é receita...

;.)


Cheiro!

Ana disse...

Ah, Felipe...

Hoje é Dia da Criança, e a criança que não sou mais quer se lambuzar com uma fatia deste bolo dourado!

Leonardo disse...

ô moço, isso aí é de cumê ô di passá no cabelo??? :)

Bela foto!!!

Felipe disse...

Adoro esse bolim.
Cheiro pra tu, Mari!

Felipe disse...

Faça as honras, Ana!
Lambuzemo-nos nas fatias de bolos-de-sol de cada dia!

Felipe disse...

Ói, esse minino Leo, issaí é um disintupidor das vias criatórias e produzitórias dos pençamentos mestreiros. Mum importa qui pareça di comer, porque na verdadi é um negócio di escrever sem pençar muitcho, pra pruduzir um efeitxo catalizeiro do flúquisso das inventividades do juízo. Não fais ninhum sentido, é só pra afrochar as pensações e alegrar as coraçâncias peitchorais. Intendesse?

Leonardo disse...

Hmmmm.... agora intindi! :)

Felipe disse...

E apois! Tinha certeza qui tu ia intender!

paty disse...

Êita bolo bom!Imagem perfeita!Texto digno de bis.Beijão pra ti Lipe.

Felipe disse...

Obrigaduuuuuu, Paty!!! O cara que fez esse bolo faz um todo dia, um no comecim da manhã e outro no finzim da tarde. Hummmmmmmmm. E isso é porque não falamos das saborosas tortas lunares que Ele faz...