sexta-feira, agosto 04, 2006

Esquecimento
















Já mostrei vários ângulos da paisagem vista do Morro do Cristo, várias imagens do por-do-sol do morro do Cristo, foto da estátua do Cristo do Morro, até a grama de lá já fotografei e coloquei por aqui. Mas nunca percebi que faltava postar uma foto do próprio morro, então...

6 comentários:

Ana disse...

Vou confessar: não gosto de estátuas como esta... Acho fora do contexto! Acho que interferem na paisagem, são cafonas, sei lá! (É uma coisa de estética - nada a ver com fé.)Aliás, ainda bem que, nesse caso, não é uma imagem de Cristo na Cruz.

Gostaria de conhecer as do Aleijadinho, por exemplo...

Tenho muito que aprender sobre isto!

Felipe disse...

Eu sou indiferente às estátuas. Gosto mais do que elas sugerem, do contexto que as criou ou do contexto que elas criam em torno delas. O primeiro por de sol que eu assisti em Salvador, meio triste, com saudades de Recife e ainda meio desambientado, foi lá, nesse morro.
As esculturas dos profetas do Aleijadinho, claro, têm um outro tipo de beleza, um maior valor artístico, mas quando as conheci estavam tão maltratadas pelo tempo que fiquei chateado. Nesse dia o que me salvou da decepção foi ver as esculturas em madeira que o Aleijadinho fez para reconstituir cenas dos passos da paixão. Ficam em umas capelinhas distribuidas na ladeira diante da igreja onde ficam os profetas. São, literalmente um espetáculo. Parecem vivas.
Agora, o que achei curioso é que na foto que postei a estátua quase não aparece e foi a coisa que mais te chamou a atenção. O que foi que rolou aí?

Ana disse...

A estátua tá lá! No meio da foto, no horizonte... Sempre ampli a imagem e ela domina a cena!

Acho que o que rolou é que preferiria uma prainha sem nenhuma interferência, nem estátuas, calçadas, nem nada!

Tenho sonhado com um lugar assim, com muito calor e água cristalina!

Felipe disse...

Tranquilo.
Vou dar um jeito nisso no post de amanhã.

cidinha disse...

Vim da "praia" daí de cima e fiquei rindo com o incômodo que a estátua do Cristo causou em Anabacana, e conseuquentemente entendi a homenagem da praia sem "estátua e calçada". Eu, nunca havia percebido a estátua solitária no alto do monte(vi a praia, o monte, os coqueiros(?)), mas ela,não, foi a 1a coisa que viu...Como são incríveis os "olhares" das várias pessoas. Gosto dessas viajadas de vocês, como já falei. Vou acompanhá-los por muito tempo ainda.
beijão

Felipe disse...

Vamo nessa, então, Cidinha. É gostoso a gente ir descobrindo que cada um tem esse olhar particular para ver o mundo e que esse olhar é precioso. Eu vejo muito com a Ana que a viagem da gente é mesmo a viagem humana.