quinta-feira, agosto 24, 2006

Muito
















Excesso pode confundir a gente. Excesso de qualquer coisa. Eu, por exemplo, confundi essas casas com bolos confeitados. Quando eu ia tirar um pedacindo do reboco, levei a maior porrada de uma velhinha que lutava jiu-jitsu e morava naquele sobradinho azul. Ela disse: "vai arrancar pedaço da casa de tua mãe, gota serena!".

8 comentários:

cidinha disse...

hahahahahaha...morri de rir da brabeza da velhinha!!!Adoro esse nosso dialeto e gota serena figura entre os meus preferidos.
Beijo

Leonardo disse...

Me fez pensar numa San Francisco do Nordeste... :)

Ana disse...

Gota serena??!

Pra mim é orvalho...

Felipe disse...

Pois é, Cidinha. A velhinha era de Caruaru. Felizmente ela se acalmou antes de apelar para a rima.
:)
Bj pra tu tb

Felipe disse...

Ahahahahah! San Francisco é que é uma Salvador americana. Mas lá as velhinhas treinam capoeira.
:D

Felipe disse...

Ana, só você mesma para fazer uma alquimia destas, transformar a imagem de uma doença em outra que só tem beleza e poesia.
No interior de PE - e na capital tb - ainda se usam muitos nomes de doença para substituir palavrões. Tem gente que usa tb como expressão de carinho (!). Conheci uma senhora (não to brincando) que quando foi se despedir do filho que ia pra Recife, disse para ele: "Recife não é brincadeira não, canco venéro, abutêu ói, vi?" Tradução do final: Cancro venéreo, abre o teu olho, viste?
(Ah, a gota serena, segundo minha avó materna, era uma inflamação causada por excesso de ácido úrico - doía mais quando escurecia, quando o tempo esfriava).
Mas agora, depois dessas palavras que me pegaram tão de surpresa, gota serena pra mim vai sempre aparecer como uma opção de ser orvalho.

Gênero Cinematográfico disse...

gota serena = orvalho ! nunca tinha pensado nisso.
que massa!

Felipe disse...

Também achei, Tchory.
Ana é mesmo uma gaúcha do orvalho, nénão?