sábado, novembro 25, 2006

Fauna urbana IV

Herdeiro da nobre linhagem de besouros aviônicos, o navinseto anuncia o mico aéreo que paguei e que está hoje aqui narrado atendendo à convocação do Leonardo do blog Indizível e seu novo projeto Mico publicável. Leia o mico liperâmico após a foto do navinseto.



















Eu tinha catorze anos, vinha de Belém para Recife num avião com meu pai. Em Fortaleza, última escala da viagem, entraram vários artistas que haviam feito um show naquela cidade. Lembro de Chacrinha e de Wanderléia passando pelo corredor.

Naqueles anos eu enjoava muito quando andava de avião, especialmente em viagens longas. Até ali eu estava bem. Achei que ia chegar no Recife sem problemas, mas quando o avião começou a descida, passando por dentro das nuvens, balançando e dando aqueles sobroços frios na barriga dos passageiros, procurei o saquinho de plástico e vomitei. Era, porém, um saquinho com o fundo furado e o líquido vazou no meu colo, na cadeira, na minha calça, o caos. Papai sorriu, pediu calma, chamou a aeromoça. Ela trouxe toalhas, sorrisos e mais saquinhos. De vez em quando voltava e perguntava se estava tudo bem. Não estava. Mas eu não falei isso para ela.

Minha calça marrom tinha ficado com uma área escura indicadora de umidade justamente nas partes mijantes, cagantes e adjacências. E o avião estava pousando, aquela umidade não ia secar assim. O avião pousou. Torci para abrirem também a porta de trás, como aconteceu em Fortaleza. Claro, pois estávamos sentados quase no fundo do avião e, se a saída fosse pela frente, eu teria que cruzar todo aquele corredor, desfilando evidências que poderiam dar a impressão de que eu havia me borrado todo. E eu só vomitei.

Acontece que mico que é mico, quando se instaura não tem apelação e no Recife resolveram abrir somente a porta dianteira. Lá fui eu, com meu pai na frente - eu pedi a ele - para ver se me escondia um pouco: não sei porque eu me sentia mais envergonhado de parecer ter me urinado do que dar a idéia de que havia me cagado todo. Seguro da eficiência do escudo paterno, comecei a me sentir menos desconfortável, apesar de sentir a calça molhada arranhando minha virilha. Ajudava também o fato de que tinha muita gente saindo na escala, o corredor estava cheio, todo mundo se emprensando e eu pensava: "ninguém vai ver nada na minha roupa nesse vuco-vuco". Porém, lá perto da porta de saída, na primeira classe, vi emergindo altaneiro do encosto de uma cadeira, o cabelão armado cor-de-fogo da Wanderléia.

A luz do sol entrava forte pela porta aberta e a fila parecia mais frouxa naquela área. Entendi que, ao passar por ali, eu certamente ficaria muito mais exposto. Ah, eu nem olhava para os lados. Pelo canto do olho via aqueles cabelos ruivos se aproximando, meu coração aos pulos, acho que eu nem estava respirando. Passei junto da Wanderléia dando um jeito para a minha valise à tiracolo esconder a umidade do traseiro e, quando pensei que tinha conseguido me livrar daquele mico interminável, ouvi uma voz feminina com sotaque carioca comentando com alguém: "nossa, aquele ali se vomitou todo, olha esse cheiro, ai, coitado, que horror!"

39 comentários:

Leonardo disse...

Hahahahahaha!!! Ihhhh Felipe! Se preocupou tanto com o contato visual que acabou se esquecendo de pedir à aeromoça um perfuminho prá despistar. hehehehehe...

Bom, pelo menos ela sacou que era vômito! Eca!!!!!!!! :D

Abração!

Paty disse...

kkkkkkkkkk, chorando aqui de tanto ri Lipe.E sobre o guru eu conheço sim a analogia feita da borboleta e ele.Simbolos de transformação, renascimento espiritual.Muito dez.Beijos

Leonardo disse...

Ei Paty,

Como é que faz prá você participar do "mico publicável" sem blog?? Gostaria de participar de algum jeito?? Seria legal...

Mariana disse...

Eu já tive uma caganeira numa excursão de colégio. Mas esse mico é impublicável...

Beijo!

Aleksandra Pereira disse...

Realmente, Mariana, me lembrei dos meus micos em viagens, mas são mesmo impublicáveis. Nós, mulheres, ainda possuímos um adicional mensal pertinente ao gênero, que já me fez passar por cada uma!

Lipe, querido, que bom que já ficou lá atrás, né, mas mico que é mico, publicável ou não, é inesquecível...

beijo

Leonardo disse...

Ahhhh Mari... Solte a franga!!!

Leonardo disse...

Sócio,

Não vi comentário seu lá no Indizível, mas queria sugerir prá você dar uma olhada (quando tiver tempo) no último podcast porque pensei em você e suas fotos direto, assim que vi o Photosynth.

Abraço,

paty disse...

Oba leo!!!! Fiquei saltitando aqui de alegria.Gadinhu....
meu endereço
http://paty-peregrina.blogspot.com

Rosa Vermelha disse...

Oi estou adorando este blog, desejo linka-lo e assim poder voltar mais vezes.

Mariana disse...

Soltando a franga quase em off:
numa excursão de colégio, fui no banheiro do ônibus de madrugada. Tinha 13 anos e muita vergonha das pessoas verem que eu estava indo lá, então evitava ao máximo, nunca tinha usado a tal 'casinha', mas tava mesmo necessitada.

Entrei, fechei a porta, baixei as calças, agachei... e a porra da porta abriu.
Fiquei lá, gelada, sem poder me levantar, de calça arriada. Não fiz barulho porque tinha medo da galera toda ouvir, o mico era pior.

Alguém empurrou a porta de volta, eu levantei, respirei fundo e saí, na esperança de alguma discrição.

Andei de mansinho, sentei de volta na minha cadeira... e 41 moleques pularam de repente, zoando da minha cara.

Felipe disse...

A natureza é misteriosa, Léo. Seja fedor ou perfume, quando eles vêm da gente, o risco é se acostumar. Os outros é que notam. :)

Abção!

Felipe disse...

Quero ver seu mico, Paty!
Beijos!

Felipe disse...

Caganeira em colégio é mico clássico, Mari! Tb tenho uma assim, mas fica pra outro dia.
Beijo!!!!!!!!!

Felipe disse...

E põe inesquecível nisso!
Que vergonha que eu senti! O pior do mico é não ter onde se esconder.
Beijão

Felipe disse...

To ligado - e curioso - no novo podCast, sócio. Eu vou lá ainda hoje, com calma.
Abração

Felipe disse...

Olá, Rosa Vermelha!
Que bom que estás gostando destas paragens liperâmicas.
Seja bem vinda e venha quando quiser.

Felipe disse...

Ahahahahah!
Ah, Mari, a tua parece com a minha! Amanhã eu conto, ok? Hoje tá ruço.
Beijão!

Paty disse...

Lipe, segunda eu vou conferi isso com o léo,huhu

Tommy disse...

Mininu Felipe

Nossa, passo uns dias sem aparecer e, quando volto, dou de cara com essas FAUNAS todas, de insetos chiquérrimos (a-do-rei o post das formigas em um business meeting e o da mariposa vestindo um fashion casaco de pêlos) a MICOS publicáveis. Um zoológico inteiro pra apreciar e a gente se colocando em gaiolas, querendo entender essas lógicas da vida...
hahahhaha

Ahnnn, essa sua estória é terrível, fiquei com dó... hehehhe

Beijim,
Tommy

Felipe disse...

É um lado zoolipe de ser, Tommy (como diria Cynthia Cynthiorama). Bom te ler. Estava sentindo sua falta por aqui.
Beijão

Felipe disse...

Ahá, Paty!!!
Vou ficar de olho!
Bjão!

Vivien disse...

Perfuminho pra despistar, Leo? vômito cheiroso..??? vixe....rs

Leonardo disse...

Pois é, Vivien... dá-lhe Bom Ar!!!

Eca!!!!!!!!! kkkkkkkk

Leonardo disse...

Até tú, sócio?!?!?!? :-/

Não... ajude aí a passar a corrente prá frente!!! :D Quem são seus convidados?? ;)

Felipe disse...

Oxe, Léo? Falando sério?
Mas tu já convidaste todo mundo que eu pensei em convidar! Não conheço mais ninguém que tenha blog além daqueles que estão no Sonho Impossível.
Abração

Ana disse...

Oh, céus...
Pobre Lipinho, menino, morrendo de vergonha...
Sem falar no mal estar...

Mas teu jeito de contar é hilário! prova de que não restou nenhum trauma! Heheheheh!

Leonardo disse...

Ué Felipe, vale sim trazer os não blogueiros prá roda!! :D Quem sabe isto não vira rito de iniciação para eles?? ;D

Abraço,

Felipe disse...

Ficou trauma, não, Aninha. Hoje eu me lembro e acho a maior graça.
:D

Felipe disse...

Então convido desde já, por ordem alfabética, as ainda não-blogueiras, Cidinha, Patrícia e Tommy para participar do Mico Publicável, enviando seus micos para os comments do Liperama e indo até o Indizível para registrá-los. Da minha parte, me responsabilizo de postá-los na página principal com uma foto que tenha a ver com cada mico.
E priu!
Abração

Zeca La-Rocca disse...

Lipe!
Miquinho básico... a não ser , lógico, pela idade. Com 14 tudo é supervalorizado, não?
abço

Felipe disse...

Certamente, Zeca!
Já não bastava a adolescência, época que por si já parece trazer o estigma do mico. Era um tempo em que eu esbarrava em tudo, derrubava pratos, entornava água, tropeçava nas pessoas, pisava no pé das parceiras de dança, tão desajeitado que era e pouco familiarizado com o "novo" corpo. E era novo mesmo, pois dos 13 para os 14 anos passei de 1,50 para 1,86 e me sentia um bicho estranho mesmo. Sem falar em outras novidades como as indisfarçáveis ereções que vinham de repente, as vezes nos passeios com a família, mãe, irmã, amigas da irmã, e eu tinha que inventar mil formas pra evitar a "exposição". :D

Leonardo disse...

Beleza, Felipe! Tomara que suas convidadas não blogueiras participem!!

Aleksandra Pereira disse...

Lipe, querido,
puxei pela memória, e me lembrei de um mico que me esforcei para esquecer. Tá lá no blog.

Beijo

Eu não sei, você sabe? disse...

Nossa eu também vivo a mercê de minha necessidades fisiológicas e patológicas. A maioria impublicável, como disse a mariana!

Tommy disse...

Huuum, Mininu Felipe...
Será que vou ter "coragem" de divulgar? Sou expert em dar "bolas-fora"...
Vou tentar lembrar de uma bem boa... e que seja "publicável"...

Beijim,
Tommy

Felipe disse...

Falou, Léo. Vou ficar cutucando elas para encararem o lance.
Xacomigo.

Felipe disse...

Vou lá ver, Alê!
Esse lance de mico é um poço sem fundo de histórias! Eu tb já me lembrei de um monte. Se eu criar coragem, eu tb conto.
Bjão pra ti

Felipe disse...

Ahá, Tita!
Por isso você colocou um "micolai" no "eu não sei, você sabe"! E a preparação foi tamanha que eu ainda achei que ia ter um gran finale cocozal. Mas gostei do anti-clímax. E vou torcer para você contar outros.
Muito legal teu blog. Vou linkar para visitar mais vezes.

Felipe disse...

Tommy, estou contando com sua honrosa participação nesta heróica empreitada micante!
E relaxe numa boa: bola fora só é problema em campo sem gandula. Vou ficar no seu pé até ver seu mico pulando por aqui! :D :D :D
Beijos!!!